ZILMA HAICK
DALLA VECCHIA

" Considerar 9 de Dezembro como data de nascimento de Guarapuava é deixar 9 anos da história de lado.

zilma.jpg

OPINIÃO

Um olhar sobre o 9 de Dezembro

DO ACERVO PESSOAL 

zilma 1.jpg

Foto na esquina das Ruas Pinheiro Machado com Visconde de Guarapuava , ao fundo os telhados dos antigos casarões da Rua XV. A cerca de madeira, na frente, estaria no canto onde hojej é a Praça 9 de Dezembro que só teve a sua atual configuração em 1939

zilma 2.jpg

Esta foto é de 1927. Mostra a primeira Casa Paroquial , o Colégio São José e, à esquerda, nos fundos, onde é hoje é o Instituto Histórico de Guarapuava - Casa J.C.Teixeira.

zilma 3.jpg

"Tia Margarida ", como manda a tradição "das antigas" em Guarapuava, ainda cultivada em muitos lugares do interior da região: fritar a carne de porco, recém carneado, e conservar na banha do mesmo animal para ser consumida aos poucos

nicolau new_edited.jpg

Diogo Pinto de Azevedo Portugal, português de origem, natural da Vila São Bartolomeu dos Barqueiros, filho de Manuel Pinto de Azevedo e de dona Josepha Luiza Pinto de Azevedo, casado com Maria Rita Bueno Portugal, foi o comandante chefe da Real Expedição da Conquista dos Campos de Guarapuava. Recebeu autorização oficial para acrescentar ao seu nome o apelido de Portugal, a partir do que formou sua família luso-brasileira.

Azevedo Portugal recebeu a missão de dom João VI, chefe da monarquia portuguesa, de comandar a Real Expedição Colonizadora que tinha como objetivo alastrar e fixar fronteiras entre Portugal e Espanha em direção ao Oeste.

Data provável de seu nascimento é em 1774 e de morte, 1834.

DIOGO PINTO DE AZEVEDO PORTUGAL

diogo_pinto_de_azevedo_portugal_large.jpg

Povoamento completa 211 anos

Considerar que Guarapuava teve início em 1819 e que completa 193 anos em 2012 é banir da nossa história a figura do comandante Diogo Pinto de Azevedo Portugal que se afastara em 1818 não retornando nunca mais a Guarapuava. É desconsiderar o seu trabalho no enfrentamento das inúmeras dificuldades quando da execução das ordens emanadas das autoridades portuguesas. É ignorar o período mais profícuo de catequese dos índios, 1812 a 1819, desenvolvido pelo Padre Francisco das Chagas Lima, auxiliado pelo índio Pahy. É se esquecer das atitudes corajosas de Antônio da Rocha Loures enfrentando os ataques dos índios à população aldeada em Atalaia, em agosto de 1810. É deixar de lado as expedições enviadas daqui para o Planalto Médio da Província de São Pedro do Rio Grande do Sul que deram origem a diversas cidades daquela região, a partir de 1815. É acreditar que, no caso de uma mudança de um local para outro, os anos vividos anteriormente não existiram!

Enfim, eu vejo 9 de dezembro de 1819 como o dia em que o Padre Francisco das

Chagas Lima e o Comandante Interino da Real Expedição de Conquista e Povoamento dos Campos de Guarapuava, Antônio Rocha Loures, escolheram o local onde deveriam se instalar os povoadores portugueses do Fortim Atalaia, se autorizados pelo governo português. O dia em que foi escrito um Auto, um termo, em capítulos, também encaminhado para aprovação das autoridades, que serviria de orientação na administração da Freguesia de Nossa Senhora de Belém de Guarapuava!

Em 2021, Guarapuava tem 211 anos de efetivo povoamento, 202 anos de história trilhada! E pelos seus 202 Anos de História estabelecidos pelo Auto de 9 de dezembro de 1819!

 

*** Texto readaptado para o Viva Guarapuava, nos 202 anos de Guarapuava/Freguesia de Nossa Senhora de Belém 

 

 

*Professora Zilma Haick Dalla Vecchia é vice-presidente do Instituto Histórico de Guarapuava.

Membro da Academia de Letras Artes e Ciências de Guarapuava.

Membro da Associação dos Docentes Aposentados da UNICENTRO.

Integração Logo nova final.png
mater dei nova.jpeg
uni quadrad.jpeg

ZILMA HAICK DALLA VECCHIA *

 

Eu vejo o 9 de dezembro de 1819 como o dia da redação de um Auto, em 6 capítulos em que se determinava o local onde deveria ser erigida a “Povoação e Freguesia e Igreja Matriz de Nossa Senhora de Belém na Conquista de Guarapuava ”considerada pelo Padre Chagas como a “primeira Povoação fundamental” porque separava os índios do “Povo e dos soldados”.

O local escolhido “pareceu mais conveniente ao bem, conservação e aumento da mesma povoação ao presente”. “Lugar de campos aprazível”, coincidentemente local da sesmaria de Azevedo Portugal que voltava de São Paulo para efetivar a sua posse, mas que faleceu em maio de 1820.

Observando-se a redação do Auto, evidencia-se a preocupação do Padre Chaga em determinar certas regras (como ele mesmo escreve num documento) para a conservação dos bons costumes, de acordo com a mentalidade daquela época, e para a melhoria da administração da freguesia. Considera que, depois da abertura de uma estrada, haveria “uma mais breve e mais fácil comunicação desta Conquista com a Vila de Castro de que depende pela Justiça”.

O Capítulo 5 registra a preocupação do padre pelo “abuso das águas ardentes” por parte dos índios e dos soldados.

O auto de 9 de Dezembro de 1819 não vigorou nesse dia porque dependia da aprovação das autoridades. Ao final do Capítulo 6 está escrito: ”E por esta forma se houveram os Capítulos acabados os quais sendo aprovados pelo Ilmo. Exmo. Sr. General desta Capitania terão força de estatutos particulares desta Povoação enquanto nela não houverem outras Autoridades que tenham ao seu cargo regular sua Polícia”.

Naquela data, somente o Padre Chagas transferiu-se para o local escolhido para instalação da freguesia, acompanhado de dois escravos, de dez índios que serviriam de criados no cuidado de sua casa e de dois soldados, cedidos por Rocha Loures, para cuidarem da sua segurança.

 Rocha Loures afirma em 9 de dezembro de 1819: “... voltei para Atalaia em [cumprimento] das Ordens últimas que tive do Governo Interino, que mandava me fortificasse e residisse em Atalaia sobre cujo objeto não moverei coisa alguma sem novas Ordens de V.ª Ex.ª, que espero”.

A nova Freguesia de Nossa Senhora de Belém vai ser povoada somente a partir de 1821.

Considerar 9 de dezembro de 1819 como o dia do nascimento de Guarapuava é deixar de lado nove anos de história, é manter uma tradição iniciada em 1936 por Antônio Lustosa de Oliveira, influente personalidade da época, que demonstrou a preocupação em encontrar um dia para a comemoração do aniversário da cidade.

Guarapuava foi elevada à condição de cidade pela Lei Provincial Nº 271, de 12 de abril de 1871.

Mantida a tradição do 9 de Dezembro, pergunta-se:

O período de 1810 a 1819 pertence à história dos Campos de Guarapuava?Os Campos de Guarapuava não pertencem à cidade de Guarapuava?

mapa antigo gp.jpg

Ano de 1819 lembra o ato formal de fundação da Freguesia de Nossa Senhora de Belém 

tropeiros.jpg

Documento original assinado em 1818 por Joaquim de Marçal nunca foi encontrado

gp hoje.jpg

SÉRIE
Guarapuava é a gente que faz